quarta-feira, 27 de abril de 2016

Processo criativo - Post convidado: Olinda Gil

O processo criativo da escrita nem sempre é algo feliz, apesar de dar satisfação. Muitas das vezes há ansiedade por escrever, aflição por passar uma mensagem, gritar. Isso acontece quando as ideias aparecem "de explosão", a chamada inspiração: que nem sempre é tão inspirada quanto isso. Porque dessa explosão pode até nem sair nenhum texto bom.
Por outro lado há momentos muito relaxantes. São aqueles textos que são muito pensados. Em que a ideia surge aos poucos, e relfectimos sobre ela durante diversos momentos. Este processo pode tanto durar meia dúzia de dias como anos. Mas não pensem que lá porque possa durar anos isso seja negativo. Afinal, a boa ideia é aquela que não nos sai da memória. A vantagem de pensarmos muito sobre o que escrever, é a facilidade com que depois se escreve. Estes textos são sempre os meus melhores textos.
Para escrever, seja de rompante ou com toda a calma do mundo é imperativo que esteja num ambiente sossegado. Se for em casa, na minha secretária, é essencial que esteja arrumada. Já desisti de escrever por ter a secretária desarrumada, e ir arrumá-la naquele momento afasta-me do processo criativo. Também gosto de ter a secretária perto de uma janela, de preferência com uma vista soberba, e com muita luz natural. Necessito de estar confortável. Tenho dificuldade em escrever com o calor e com o frio. E silêncio.
Contudo, a minha casa não é o único sítio onde posso escrever. Quando vivia em Lisboa escrevia muito nos cafés, mesmo sem estar em silêncio. O barulho de fundo era um "white noise" que conseguia ignorar. O mesmo pode acontecer num parque, numa esplanada. Uma pequena secretária num quarto de hotel também pode servir se estiver de viagem.
O que não consigo é escrever se estiver a ser constantemente interrompida.
Mas um texto não fica terminado à primeira vez. Há duas coisas que para mim são importantes: deixar passar tempo e revisões, muitas revisões. Deixar passar dois ou três meses sobre um texto que escrevemos pode ser tempo suficiente para conseguirmos olhar para o texto com outros olhos, conseguirmo-nos distanciar. Assim, vai ser mais fácil rever, e reescrever se for preciso. As emoções que tenho para com o texto estão diminuídas, a nossa perspectivaa é outra, e é possível alterar o texto sem sentimentos de culpa.
Às vezes são necessárias várias revisões até que o texto esteja terminado. Outras vezes não é preciso tanto. É algo que se sente: quando conseguimos estar bem com aquele resultado talvez seja a altura de pararmos o processo criativo. Uns textos exigirão mais que outros. Nós também não poderemos estar sempre com a mesma exigência.



Olinda P. Gil é licenciada em Línguas e Literaturas Modernas e mestre em Ensino do Português e das Línguas Clássicas. Tem também uma pós-graduação em Gestão de Recursos Humanos.
Iniciou a sua prática de escrita no "DnJovem", suplemento do "Diário de Notícias".
Colaborou em diversas colectâneas e publicações, e foi 3º prémio do concurso literário "Lisboa à Letra" em 2004, na categoria de prosa.
Editou, a título independente, em 2013 “Contos Breves”, e, pela Coolbooks, chancela da Porto Editora, “Sudoeste” e “Sobreviventes”, em 2014 e 2015.
Escreve no blog www.olindapgil.blogspot.com

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Workshops de produtos naturais e plantas medicinais, novidades e orientação

Há já alguns meses, alguém que participava num dos meus workshops de cosméticos naturais observou que este meu site não é actualizado desde 2015, o que o torna uma ferramenta nada útil para quem vem à procura de informação sobre os workshops...

Gostaria de informar que fizémos algumas mudanças na nossa organização: o meu trabalho passou para a alçada da Fonte do Sul Associação - sustentabilidade e ambiete, onde trabalho como formadora na área de sustentabilidade e me ocupo dos produtos naturais, ecológicos e de bem-estar que a associação disponibiliza.

Aqui na coluna da direita, coloquei o link para a Agenda de  Eventos e formações, para que possa continuar a ver por onde vamos andar, o que vamos fazer...

Por último, já temos os manuais prontos a disponibilizar nas publicações, para quem não tiver tempo de frequentar os nossos workshops, e quiser fazer um estudo independente das matérias.

Estamos numa fase muito interessante do nosso trabalho, a iniciar actividades novas, a aprender  muito e a fazer a nossa horta em casa, repleta de plantas medicinais, e comidinhas boas.

Devido ao volume de trabalho, por vezes as actualizações do site e até mesmo as respostas aos emails ficam para trás...Se não te respondemos, volta a insistir ao fim de uns dias!

Espero que este seja um início de uma presença online mais frequente, mas não posso prometer nada!

Grata por apareceres

Namasté!

quarta-feira, 20 de abril de 2016

5 minutos a escangalhar! Revival! estratégias para lidar com pessoas tóxicas


Houve tempos em que todas as quartas-feiras escrevi a rubrica 5 minutos a escangalhar! para falar sobre motivação pessoal, criatividade, procrastinação. Nessa altura, trabalhar num escritório alimentava essa busca por ferramentas para lidar com o ambiente, com as pessoas, e para tentar evitar a morte da minha veia  criativa.


Não vou voltar a publicar esta rubrica todas as quartas-feiras, mas esta semana resolvi publicar um revival, para os mais entusiastas :)





Ser alguém optimista e empreendedor, diferente, encontrar pessoas que te criticam constantemente, que te dizem que não podes fazer coisas, que te fazem sentir mal contigo próprio, até mesmo que gritam contigo, faz parte do teu mundo?

Estas são as pessoas tóxicas.

Lidar com elas nunca é fácil, chega a ser tão difícil que vale a pena considerar algumas estratégias. Por vezes estas pessoas não vão simplesmente calar-se ou desaparecer, há que lidar com elas todos os dias, elas vão continuar ali.

Então vamos às esttratégias:

Compaixão
Mostrar sentimentos negativos e entrar numa luta apenas piora a situação, e piora o comportamento tóxico.

Experimenta voltar-te para dentro, tomar consciência dos teus próprios sentimentos, qual a sensação? Então sublima este sentimento, subjuga-o reforçando o teu amor próprio: deseja felicidade para ti, alegria e paz, respira fundo e sorri.

Conversa
Quando estás a sofrer não é fácil transmiti-lo a outras pessoas, mas se o fizeres, sentes-te automaticamente melhor. Então dá esse passo, partilha os teus sentimentos sinceros com alguém, a conexão vai ajudar-te a sentir bem-estar novamente.

Pratica empatia e compaixão pelo outro
Alguém que nos deixa frustrado desta forma pode ser candidato a ter a sua foto colada numa placa de dardo à qual atiras diariamente, no entanto, esta prática, em nada contribuirá para o teu bem-estar.
Então tenta praticar compaixão: do fundo do teu coração, deseja-lhe felicidade. Compreende que também essa pessoa passa por dificuldades, tal como tu, e é por isso que age desta forma. Deseja-lhe uma vida de felicidade e o fim do seu sofrimento.

Fala com a pessoa tóxica
Uma vez que começas a sentir mais compaixao pelo outro, fala, embora saibas que esta pessoa pode não sentir compaixao por ti, pode não ter uma atitude posittiva para contigo, então sê mehor pessoa.

Adapta-te, tendo comportamento que queres ver
Às vezes chateias-te com pessoas por se chatearem contigo, e não tarda estás a fazer o mesmo que elas. Ter uma má atitude porque alguém teve uma má atitude só eleva a situação para um nível de péssima aitutde infinita, que se auto-alimenta de má atitude.
Mostra compaixão, uma atitude positiva para com a outra pessoa e com a situação. Muitas vezes o efeito pode ser muito bom, embora não imediato.

Rodeia-te de amigos optimistas
Encontrar pessoas que se identificam com o teu modo de vida, criativos, empreendedores, entusiasmados com a vida, saudáveis, felizes; encontrá-los é fácil, no ginásio, nas aulas de Yoga, organizações e associações, online, e por aí, cola-te a eles! Cria e nutre as relaçoes que têm uma influência positiva na tua vida e sê uma influência positiva na deles. Esta atitude tem feito a diferença na minha vida.


Fecha a porta

É algo bastante difícil de fazer, mas quando membros da nossa família ou amigos não nos apoiam, são excessivamente críticos, constantemente negativos e zangados, e nada do que tentaste antes funciona, então tenta ver estas pessoas menos, conversa pouco, passa mais tempo com outros familiares ou amigos. Pode não ser fácil de fazer, mas há sempre estratégias: sair e dar uma corrida, um passeio na natureza, meditar, criar...Não deixes que os pensamentos sobre pessoas tóxicas sejam aquilo em que te focas todo o dia - coloca a tua mente em lugares pacificos, criativos e positivos.

Namasté!

Lê outros post da rubrica 5 minutos a escangalhar!