segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Yoga para Crianças

O Yoga para crianças usa uma metodologia muito divertida e não competitiva com o intuito de desenvolver o potencial da criança com um todo com as suas capacidades criativas, intuitivas, éticas, físicas, emocionais e intelectuais.

Porquê Yoga para crianças?


A vida das crianças hoje em dia é desde cedo influenciada pelo estilo de vida dos pais, e as crianças sentem a pressão e stress a nível académico, social, e uma agenda cheia de actividades. Falta tempo para a criança libertar a sua criatividade e simplesmente se divertir aprendendo.

Praticar Yoga ajuda, na sua auto-estima, desempenho académico, e até mesmo uma diminuição nos problemas de disciplina respeitando os seus pares.

Como é uma aula de Yoga para crianças?


As aulas são muito divertidas com jogos não competitivos, que estimulam a cooperação e o trabalho de equipa e valorizam as peculiaridades de cada criança, procurando assim estimular as diferentes formas de inteligência. Através das historias, musicas, jogos, relaxamentos e visualizações cultivamos os princípios da não violência,da Verdade, da Paz e da Alegria enquanto que as posturas preparamo corpo para o desenvolvimento da inteligência e das emoções.

Benefícios para as crianças


  • Promove o relaxamento e concentração
  • Estimula o sentido estético e a criatividade;
  • Promove a auto-estima, auto-confiança e auto-conhecimento
  • Combate a ansiedade e o stress;
  • Trabalha a coordenação motora e o equilíbrio;
  • Promove bons padrões respiratórios
  • Equilibra o sistema nervoso e o sistema endócrino
  • Fortalece o sistema imunitário
  • Aumenta a capacidade de assimilação intelectual
  • Desenvolve o espírito de grupo e a cooperação;
  • Promove uma consciencialização ecológica e humanitária.

domingo, 17 de novembro de 2013

Sopa Crioula de Millho

Ingredientes:


  • 2 latas de milho (cerca de 280 g cada)
  • Um grande pimentão vermelho
  • 2 cebolas
  • 500 ml de leite
  • 500 ml de caldo de legumes
  • 1 colher grande de farinha
  • 1 lata de natas azedas (250 g)
  • 50 g de manteiga ou margarina
  • Sal, pimenta e caril
  • (Romã)



  1. Picar finamente a cebola e colocar a manteiga e a cebola numa panela, mexendo,
  2. Adicionar o pimentão em quadrados,
  3. Adicionar o milho escorrido e continuar a mexer,
  4. Colocar a colher de farinha por cima e misturar,
  5. Adicionar o leite e o caldo de legumes,
  6. Ferver tudo por 15 minutos,
  7. Adicionar sal, pimenta, caril a gosto e por fim as natas azedas,
  8. Deixar ferver por um minuto,
  9. Reduzir a puré, e depois, se gostar, adicionar bagos de romã.




quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Ser independente - Três razões para trabalhar para ti


Ultimamente tenho ouvido algumas opiniões sobre este dar o salto de passar de um emprego para uma situação de freelancer. Muita gente fala do medo, de um verdadeiro "freek out" avassalador que acha que sentiria, de uma necessidade de estabilidade e segurança...

Muitas vezes não fui tão longe quanto poderia e muitas vezes já deixei de dizer que não a algo que não queria para mim por sentir o medo de não ter nada garantido.

Dar o salto na direcção da independência faz-nos tremer! E isto não é vergonha nenhuma.

Abrir as asas e deixar voar a criatividade e individualidade é tomar inteiramente a responsabilidade nas nossas mãos.

Abrir mão do que é garantido e certinho, para entrar no meio do desconhecido pode ser assustador, mas aprecia o percurso, vê isto como uma jornada da vida e não como um fim em si.

Uma vida não se faz das 9 às 5 e o futuro não deve ser igual ao passado nem previsível em função deste.

E mais uma vez me lembro: qualquer sensação de controlo é uma verdadeira ilusão!

Abraço o incerto com a mesma alma e felicidade de sempre, aprecio a liberdade.


Hoje em dia ser freelancer é como ter outro trabalho qualquer, sê-lo depende apenas de ti. Se pensas fazê-lo por dinheiro, é melhor procurar outra alternativa! Muitas vezes ganha-se substancialmente menos do que num emprego comum.

Então se não é o dinheiro, o que nos motiva?

1) Deixa a tua marca

Descobres uma necessidade e trabalhas no sentido de a satisfazer, assim encontras o teu legado. Ajudas pessoas e organizações que precisam de ti. Satisfazes-te por ver que o teu trabalho é necessário e que a tua comunidade te agradece por ele. Procurar o reconhecimento não deve ser a força que te move, mas quando acontece, disfruta dessa felicidade.

To be nobody but yourself in a world which is doing its best, night and day, to make you everybody else means to fight the hardest battle which any human being can fight; and never stop fighting.
Não ser ninguém a não ser tu-próprio, num mundo que faz todo o possível, noite e dia, para transformá-te noutra pessoa – significa travar a batalha mais dura que um ser humano pode enfrentar; e, essencialmente, jamais parar de lutar. 
e. e. cummings

2) Muda, cresce, expande-te, aprende

Tens a oportunidade de ter ideias fantásticas, fazer algo de bom com essas ideias, reiventar-te a ti mesmo. Ser independente é uma forma de vida, até temos a qualificação "Indie" que prova isso mesmo, e esta forma de vida advém directamente das nossas ideias. As ideias e a criatividade alimenta-se a si próprias, se puseres em prática novas ideias, mais e mais continuarão a fluir constantemente!

Esta é apenas uma forma de te mudares e expandires. Para um artista independente as ideias e a sua execução são tudo. Vês o mundo através da tua lente, dos teus ideais, objectivos e sonhos que te levaram primeiramente a criar o teu projecto.

Viver nesta onda de criatividade e independência vai ensinar-te a vencer os teus medos, manter-te firme sob pressão, e ser positivo em todas as situações. E se tens o gostinho pela aventura, podes vir a precisar de um grande desafio e de um grande salto para te sentir estimulado.

3) Mudas a tua comunidade. E possivelmente o mundo!

A única forma de produzir a mudança é fazê-lo de forma sustentável económica e ambientalmente. Se a tua actividade é sustentável economicamente, paga-se a si própria e ao seu desenvolvimento, se a isto juntas uma melhoria ou não-agressão ambiental tens uma ideia de grande valor por duas razões: encontraste uma forma de fazer o que gostas e ser pago por isso, que mantém o mundo habitável para os teus filhos e netos. Esta é uma ideia que vale a pena perseguir!

Fazer o que gostas, olhar-te no espelho e gostares de quem és, e receber gratidão e compensação por isso é a melhor coisa que podes procurar nesta vida!

domingo, 3 de novembro de 2013

Tortellini Recheado e Pesto de Ervilhas

Pesto de ervilhas dá sempre jeito para quando me faltam as ideias...

1 embalagem de tortellini recheado (uso o de espinafres/ricota, mas dá com qualquer um)
300g de ervilhas
1/2 copo de sementes de girassol/sementes de abóbora/amêdoas
2 dentes de alho
azeite q.b.
manjericão q.b.
25 a 50g de queijo parmesão
100g de iogurte natural
sal a gosto

Cozer as ervilhas, pôr 200g de parte e usar 100g para o pesto. Cozer o tortellini.

Para o Pesto de ervilhas: Colocar todos os ingredientes na misturadora/liquidificadora menos o azeite, quando estiver líquido, reduzir a velocidade deitar um fio de azeite e deixar misturar.
Pode ser preciso rectificar com mais iogurte ou azeite, para ficar na consistência que mais gostas.

Está pronto!