quarta-feira, 11 de setembro de 2013

5 minutos a escangalhar! Que parva que eu sou!

Já não é a primeira vez que faço referência a Deolinda neste blog. A mensagem é das que mais sentido me faz e sempre gostei da música deles.

Ouvi esta música ao vivo no Domingo passado, na Festa do Avante enquanto cerrava os pulsos com força e pensava mais uma vez neste mundo parvo, na Merkl e nos que vivem e beneficiam de alimentar esta realidade.

Sou da geração que não decide casar, ter filhos, viver aqui ou viver ali, porque primeiro é preciso ver se há migalhas suficientes para viver, e depois sim, um dia garantida esta árdua tarefa de sobreviver, avaliar se há condições para deixar o meu legado neste mundo.




Pela sua mensagem, esta música já fez furor, e se calhar ainda nem chegou ao seu expoente máximo.

Agora que já sabemos que isto está mal e vai continuar, talvez seja altura de pensar em soluções, ter ideias e criar estratégias. Sou feliz com a certeza de que esta realidade não nos deitará por terra, será sim o impulso do nosso crescimento, o seio do renascimento da nossa criatividade, nas nossas novas ideias.

Pensar na desigual distribuição de tudo neste mundo, da riqueza, do trabalho, das necessidades básicas, e pensar no que fazer para levar os recursos a quem deles mais necessita, ao mesmo tempo que tentamos quebrar esta tendência de desigualdade, e sem esquecer que, à partida vamos permanecer nesta terra, e há que aprender a cuidar dela, para que possa receber as gerações vindouras.

Ser jovem neste mundo parvo, ter escolhido um curso ou uma profissão e ver deitados por terra os nossos esforços é triste e injusto, é preciso lutar! E esta luta não se faz murmurando e dizendo que está mau, faz-se com acção. E se houver muita gente, que tenha muita atitude, haverá decerto maneira de conquistar o mundo, não planeio as coisas por menos!

Este post serve apenas para colocar este desafio na mesa.
Tens força e atitude? Mostra as garras. Luta pelos teus direitos e procura quem lute pelo mesmo, cria um movimento colectivo, estrebucha, muda a tua realidade, faz pó na lama!

É nesta geração que se têm visto crescer alguns dos melhores exemplos de desenrascanço, de ideias e atitudes, e somos nós que vamos dar a volta a isto!

Isto vai!...

3 comentários:

  1. Parvos seríamos se fechássemos os olhos a isto. Vamos, vamos lutar!

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo mesmo amiga, lutar e não deixar que façam de nós parvos!

    ResponderEliminar
  3. hm..de cada um segundo as suas
    capacidades e a cada um segundo as suas necessidades..tendo em conta que as capacidades são muito específicas e em geral limitadas e as necessidades muitos abrangentes e em geral sem limites tem como receita o fracasso e a loucura....dito isto nada neste mundo é igual...ser jovem ou de meia idade ou velho neste mundo dá no mesmo....uns tiveram pobreza,doenças e guerras...outros menos doenças,menos pobreza,menos educaçao...e agora menos doenças, menos emprego e mais educação....mas sim, a revolução tem que ser interior....não sei...(suspiro) ;-)

    ResponderEliminar