domingo, 31 de março de 2013

Coração Aventuroso de Inês Teixeira no Museu da Electricidade

A exposição Coração Aventuroso de Inês Teixeira no Museu da Electricidade vai estar por lá de 22 de fevereiro a 19 de Maio de 2013 na sala Cinzeiro 8, e como hoje é um daqueles dias que ninguém desconfia, resolvi ir lá dar uma espreitadela.

Onésime Reclus - A Terra Ilustrada

É uma exposição a preto e branco, de desenho e pintura, inspirada na edição oitocentista d'A Terra Ilustrada, uma visão geográfica e política que tenta retratar a Terra em toda a sua vastidão.

Inês traz para um plano menos abrangente esta descrição, tentando captar o mundo terreno numa visão mais particular e intimista.

A exposição vê-se em 20 minutos, está gira e os desenhos são bastante interessantes, uma mistura de terreno com misterioso e fantástico.

Pode-se ler a descrição no site oficial do Museu da Electricidade, e boa viagem!

quarta-feira, 27 de março de 2013

5 minutos a escangalhar! A rubrica anti procrastinação da semana - És um leão

Existe uma parábola contada por um monge Hinduísta, sobre um Leão criado por ovelhas.
 ”Um filho leão ficou perdido e esfomeado, foi encontrado por uma ovelha que não tinha filhos, e comovida mas ao mesmo tempo emocionada, ela levou o leãozinho alimentou-o e cuidou dele, como se de um filho se tratasse.
Com o tempo o leão começou a alimentar-se de erva e a portar-se como ovelha até se tornar um Leão grande e forte. O Leãozinho, brincava com as outras ovelhas jovens, sendo muitas vezes alvo da troça delas, por ser muito diferente.
Sempre que o Leãozinho era alvo de troça, ia ter com a sua “mãe ovelha” e desabafava com ela, e ela dizia-lhe que apesar de ele ser diferente, tinha muitas características em que ele era diferente, mas que isso não fazia dele um ser inferior, e que tinha muitas outras qualidades superiores às outras jovens ovelhas.
Certo dia, um outro leão aproximou-se das ovelhas tentando caçar algumas. Alarmadas elas correram para se abrigar, o mesmo faz o leão que estava com elas. Não acreditando no que via, o Leão caçador aproximou-se e disse:
-“Por que foges tu de mim e te juntas às ovelhas, sendo um leão?”
- “Eu não sou leão, sou ovelha e por favor, não nos faças mal”, respondeu ele.
 - “O Quê? Tu uma ovelha? Estás enganado, tu és um leão. Um caçador igual a mim”.
- “Não, sou uma ovelha. Sempre vivi assim”.
- “Não aguento mais, tu és um leão, o rei dos animais, portanto, porta-te como tal”. De seguida levou-o para uma margem do rio, próximo de onde estavam. – “Olha a tua imagem tu és um leão igual a mim”. A tremer, o leão viu a semelhança entre ambos e isto deixou-o confuso. Não sabia quem era. E vendo as ovelhas correu e foi juntar-se a elas.
Enquanto brincavam, um lobo aproximou- se das ovelhas, encurralando-as, quase todas conseguiram fugir, mas houve uma que ficou mesmo encurralada junto às rochas: a “Mãe do Leãozinho”, desesperada a ovelha berregava sem parar, até que os seus gritos chegaram aos ouvidos do leão medroso.
Este ao ver à distância o perigo eminente da sua “mãe” , transformou-se e ganhou forças,  soltou um rugido de leão apavorante,  que ecoou por toda a savana. Assustado e sem saber do que se tratava, o lobo fugiu a correr, e a “mãe ovelha”, ficou a salvo”
O leão finalmente assumiu a sua verdadeira identidade. Viveu  por algum tempo como ovelha, mas seu coração era de leão, e isso fez ressurgir a sua verdadeira natureza. “
Fonte: neurocrescimento.wordpress.com


És Leão ou ovelha?

Viver em rebanho não tem problema. Mas nunca te esqueças de quem és. E ruge, porque és Leão!



Todas as semanas há uma rubrica 5 minutos a escangalhar! que podes lêr, o nosso momento anti procrastinação.

quarta-feira, 20 de março de 2013

5 minutos a escangalhar! Anti procrastinação em acção - Há uma batalha a decorrer agora mesmo! Vais ganhar ou perder?



Já toda a gente deu por si a conversar consigo próprio. A dizer metirinhas a si mesmo, a usar meias-verdades como argumento para se deixar de trabalhos e ficar parado. Quando tu não queres mesmo, arranjas maneira de não fazer. E nada acontece, ficas parado.

Quer seja iniciar um novo projecto, ultrapassar algo que não correu totalmente bem, ou apostar nessa ideia que vive na tua cabeça há meses, as razões para auto-boicote não tiram folga.

O hábito da procrastinação passa muito por discutir contigo próprio as razões para não fazer. E todos sabemos que o nosso poder de auto-censura é muito auto-confiante, e logo, tem tudo para ganhar!

E o pior é que quanto mais tempo passa mais auto-crítico vais ficando, porque ouves mais críticas e o processo é cumulativo.

Então cada vez que pensas tentar algo novo, cá vai: "Ah não sou capaz! Isso era uma trabalheira! O primo do tio do cunhado do meu avô tentou e não conseguiu! Isso só os pioneiros é que são bem-sucedidos!" e por aí fora...

Esta batalha só tem uma forma de ser ganha: Ensina ao teu cérebro aquilo que tu queres que ele aprenda!


Já te aconteceu ter uma habilidade ou talento, deixar de usá-lo, e quando vais voltar a tentar já o perdeste? Ah pois! O tempo não perdoa! Mas esta casualidade pode jogar a teu favor, imagina agora que o teu cérebro perde a capacidade da auto-censura?


Acreditar apenas na força de vontade para criar bons hábitos não chega. Tu sabes que já tiveste força de vontade, ainda assim, algo te desviou do caminho...

Então e se pudesses ensinar ao teu cérebro o hábito de acreditar, em vez de duvidar?

Todos os maus hábitos podem ser substituídos por bons, e como o espaço não fica livre, há menos probabilidade de falhar. Basta apenas usar a energia de um hábito para adoptar um novo.


Então compromete-te e por cada vez que deres por ti a duvidar, a adiar, a procrastinar, afirma-te! Mas afirma-te mesmo: "Sou o melhor a fazer o que faço e sou o único a poder fazê-lo dessa forma, porque sou único. Ninguém o fará melhor que eu."

Repete esta frase a ti próprio três vezes por dia. Talvez mais. Não a poupes. E acredita no que estás a dizer, porque é verdade!

Tens cinco minutos? Lê mais rubricas 5 minutos a escangalhar!

Vais estar por Lisboa dia 21-03-2013? Aparece no ciclo de palestras Ignite no ISEG, e delicia-te com os meus cinco minutos de criatividade.

Queres ficar alerta e receber notícias sempre que algo se passa? subscreve no teu mail

sexta-feira, 15 de março de 2013

Seis ideias para um mês de Diário Gráfico, ou ainda mais

Manter um Diário Gráfico é fácil, e ter ideias também, mas o difícil é começar. Fazer os primeiros esboços, marcar as primeiras páginas. Para que o teu caderno não fique em branco, deixo algumas ideias para os primeiros tempos, ou para re-inventar o que já fizeste:

1) Objectos do dia-a-dia:

Aquela composição dos teus lápis espalhados no meio da cama;
A tua mesa da cozinha com tudo o que ela contém;
O teu armário da casa-de-banho...

O teu espaço é mais difícil de esgotar do que pensas!

2) Tu, amigos e família:

Desenha as pessoas que estão contigo, as pessoas por quem te interessas;
Auto-retratos;
Familiares enquanto dormem são mais fáceis de apanhar em detalhe;


3) Natureza:

Vai ao jardim, ao parque, à praia e a todos os sítios que puderes, leva sempre o teu caderno, desenha detalhes de perto, e paisagens no geral.

4) Animais:

Desenha o teu animal de estimação enquanto dorme;
Faz alguns esboços dele em movimento, treina a forma como captas a acção através do desenho.
Desenha outros animais, por foto, ao vivo, perto e longe.

5) Fantasia:

O fantástico mistura realismo com fantasia e misticismo.
Vê livros e imagens de fantasia, copia essas imagens. Depois imagina e desenha a tua interpretação.
Mistura passado com presente, com futuro, realidade com imaginação;
Pratica o realismo;
Cria uma história e ilustra-a;
Cria um personagem e imagina um dia da sua vida.

6)Literatura e filmes:

Inspira-te nas descrições dos livros e cria as tuas próprias ilustrações que acompanham a leitura.
Desenha cenas de filmes que não te saem da cabeça.
Imagina os personagens de um livro que tenha sido transformado em filme. Desenha os personagens como os imaginaste e depois compara com os do filme.


No fim, reinventa e continua a explorar estas ideias, há sempre algo mais.





quarta-feira, 13 de março de 2013

5 minutos a escangalhar! Rubrica anti procrastinação: 3 passos para quem beneficia de um bom pontapé no cú!

Entenda-se por pontapé no cú um pouco mais do que um empurrãozinho, um pontapé daqueles mesmo em cheio! Ou quiçá, poderá haver também quem beneficie de uma mangueirada nas costas.

Muito se tem ouvido falar do sistema, do país, do estado e da política, das finanças então...enfim, passa por lá e pede o nif daquele senhor para dares quando vais beber a bica, já agora. Não se esconde mais a vontade de mudar o sistema, não se finge mais que está tudo bem. E nessa auto-promessa de que tudo pode ser diferente, continuamos a fazer tudo igual.

Como se muda, é a questão, e a resposta, pode ser muito vaga, mas pode ser também muito directa, e eis o que pode ser feito para mudar em 3 passos apenas:

1) Há uma linha que separa o passado do futuro. É o presente. O único tempo que não inventamos na nossa cabeça, que existe mesmo. E existe para quê? Para remoer o passado e planear o futuro, claro! O presente é o único tempo em que podes agir, conversar, mudar atitudes, influenciar pessoas, estabelecer novos costumes, questionar paradigmas. Então age!

2)O homem é um animal de hábitos, e um hábito nunca se extingue, substitui-se. Então para quê dizer que está mau e ficar por aí, para quê questionar e não modificar? Para nada. Faz um inventário dos teus hábitos. Quais gostas de manter, quais não gostas. Substitui todos os teus hábitos de que não gostas. Traça uma nova vida, com hábitos mais positivos, sendo quem tu és, e movendo-te na direcção que queres ir.

3) Finalmente parece que está ok. Vai mudar, vais começar pelo que podes realmente alterar, que és tu próprio. Se toda a gente o fizesse já não era mau... MAS...
Tens um doutoramento em procrastinação. Adias, atrasas, pensas, repensas, e não, ainda não está tudo definido como deve ser. Vamos planear mais um bocadinho, esperar mais outro bocadinho.

A tua vida é o que tu quiseres. Cada dia que passa é mais um dia em que podes fazer o que te sentes impelido a fazer.


No entanto, os dias passam e tu iludes-te pensando que a vida tem conta poupança. Não tem. Cada dia que passa já está gasto e só sobram os restantes. Então começa por pensar: quem queres ser hoje? O que é importante hoje? E não adies o importante, não adies a tua personalidade, não substituas o teu querer. Realiza, sabendo que a tua plateia principal és tu, és o primeiro a quem precisas de agradar.

E o resto? Fuck it!

segunda-feira, 11 de março de 2013

Fazer o que funciona. E porque não escangalhar tudo o que funciona e inventar um novo funcionamento?

Desde há muitos anos que sou aconselhada em várias áreas a fazer o que funciona. Depois o que funciona ou não já depende de cada guru, mas fazer o que funciona é a máxima de todas as correntes e religiões.

Fazer o que funciona é ouvir as guidelines e cumpri-las. Quer sob ameaça de exclusão, quer de insucesso. Por isso é que se chama o que "funciona".



Mas então o que é que funciona? E porquê fazer isso e não testar se uma coisa nova não funcionará também? E quem pode definir o que funciona?

Mais uma vez andamos todos aqui a pregar a palavra de alguém, e na verdade nem sabemos o que dizemos. Assumir a responsabilidade pelos nossos actos, decisões, opiniões, pensamentos e experiências pode ser arrasador. Responder por si próprio pode dar cabo de uma pessoa... Se houver alguém que responda, tanto melhor.

Para isso existem os vendedores da verdade e os polícias da opinião, para te dizer no que acreditas, em que limites podes inserir-te e como podes intitular-te e comportar-te, o que funciona para ti, basicamente. Procura o teu antes que seja tarde!

Por muitas vezes já observei o silêncio depois de expressar a minha opinião. Não é aquele silêncio de 'hum...é profundo...', mas sim o silêncio de 'ui...não bate bem!'. Nunca o tomei como uma rejeição pessoal, mas tenho perfeita noção de que não ser standart implica correr certos riscos.

Já dizer barbaridades disparatadas mencionando um alto guru do conhecimento pode ter efeitos rejubilantes nos seres que te escutam. Dizer coisas estúpidas citando um suposto alto mestre do conhecimento é erudito, é culto e profundo; e recomenda-se!

E vejamos capacidade crítica não como a capacidade de criticar, e sim como a capacidade de questionamento. Questionas-te? Questionas os outros? Questionas a autoridade? As ciscunstâncias?

Questionar não é desafiar nem convidar para um duelo, é justificar o que tu comes utilizando-o como combustível para um pensamento mais claro e consciente sobre as coisas.

Pensamento esse que pode ser só para ti. Ou podes partilhar, em doses homeopáticas.

sábado, 9 de março de 2013

Ter um Sádhana diário só depende de ti

Por diversas vezes ter um propósito que não possa facilmente ser impedido por factores exteriores já me salvou o dia. Digamos que se for dia de tempestade e o teu propósito for escrever um romance, vais-te safar melhor do que se quiseres aprender a manobrar um papagaio de vento.

Ainda assim há quem goste de correr contra a maré e decida enfrentar ardua e virilmente todos os elementos adversos. Claro que tudo tem um preço, e a bravura desmedida também se paga!...

Eu por mim tento sempre adaptar o meu Sádhana (termo sânscrito para prática) ao dia que me espera, e aproveitar as circunstâncias para criar o ambiente propício a certas actividades.


Omkara
Recentemente, na semana de 4 de Março deu-se início a uma semana de greves sobrepostas de tudo o que era meio de transporte. Dias daqueles em que não se pode contar com nada mais a não ser viajar enlatado e apanhar uma chuvada por dia, no mínimo.

Não se combina nada porque não se vai chegar a horas, espera-se chegar ao trabalho, eventualmente, mas não se sabe quando.

Nestes dias tento sempre que tal como em todos os outros nada perturbe a minha paz, coisa que depende única e exclusivamente de mim, e para tal concentro-me no meu sádhana.

Uma das melhores formas de enfrentar um ambiente adverso é ter um Sádhana compatível com as circunstâncias, por exemplo, do curso de formação para instrutores de Yoga, tínhamos trazido um trabalho que consistia na prática do Omkara (traçado do OM), que me pareceu directamente compatível com muitas horas de espera e conveniente para evitar conversas negativas de quem anda farto das greves (ninguém conversa com alguém que escreve a mesma coisa repetidamente por tempo indefinido).

Então decidi por em prática este Sádhana, e fiquei feliz por tê-lo feito. Folhinhas e folinhas do meu caderno cheias de OM :) O tempo de espera pelos transportes passou a ter sentido e objectivo, e o meu estado de espírito não foi influenciado pelo momento e pelas greves mas sim pela prática que estava a desenvolver.

quarta-feira, 6 de março de 2013

5 minutos a escangalhar! Duas estratégias anti procrastinação - Mata o bicho antes que o bicho te mate a ti

Toda a gente adia, e isto de procrastinar não é simples, tem muito que se lhe diga!...

Os peritos defendem que procrastinar é quase como ter parasitas intestinais, é uma coisa que não és tu, mas que vive dentro de ti.

Esse parasita, como todos os parasitas, gosta de ser recompensado imediatamente, e por isso vai procurando satisfazer-se com migalhas. Um bocadinho aqui, um bocadinho ali...e enquanto vai havendo uma goluseima ele nem coloca a hipótese de se satisfazer à grande, porque isso também já implica um grande esforço, andar muito, e sem ver a recompensa garantida.

Este parasita vai-te consumindo. Tu sabes que podias estar ali, mas ainda estás aqui. Meio afectadinho da cabeça, meio distraído, a ver os acontecimento a passar, e a comer as migalhas.

Ninguém gosta de parasitas! Então como pô-lo a mexer? Bem, agora podia ser o momento em que eu te recomendava uma receita qualquer que te deixava agarrado à sanita quinze dias, mas eu por acaso estou bem disposta...

Este parasita pode ser usado a teu favor...como? Dá-lhe mais migalhas!
Suponhamos, por exemplo queres pintar um mural! O teu tio já te disse que pode ser na parede da oficina dele. Já passou um ano e tu nem começaste. Já tiveste mil ideias, mas nenhuma merecia um mural na parede dos fundos da oficina do teu tio! Tudo isto são desculpas que arranjas para ti próprio.

Então deixa-te de desculpas e passa à acção:

1) Divide a tua tarefa em várias partes que começam e terminam rápido,
2) E recompensa-te no final de cada uma!


Propõe-te a pintar esse mural em 30 dias, uma hora por dia. Faz o projecto, põe a ideia no papel, faz o esboço, lista de materiais, planeia tudo.

Depois divide por etapas de pouco tempo cada uma.


Começa e não prolongues cada etapa por mais tempo do que deveria, cria limites de tempo, se for preciso usa um cronómetro. E no final...recompensa-te! Vê uma série ou filme de que gostas, come uma guloseima, sai de casa para um passeio, whatever! O que te apetecer e te der prazer.

No final, recompensa-te mesmo à grande e sobretudo vê o que já fizeste e felicita-te, não fiques à espera ;)

Com o tempo vai ver que adiar um pouco a recompensa traz uma satisfação muito maior do que andar toda uma vida a tentar a recompensa sem passar pelo esforço.


Se podes idealizar uma vida em grande não a desperdices a apanhar as migalhas.