terça-feira, 25 de dezembro de 2012

The zero hour workweek - a minha visão depois de lêr

Já alguém leu The zero hour workweek? Eu li há pouco tempo, e achei excelente, sobretudo para a minha geração, que está a fazer parte de uma grande revolução económica e de uma nova era em termos profissionais.
É um guia do Jonathan Mead, que tem como base ser pago para existir, ser tu e fazer o que gostas o tempo inteiro, chegar a um ponto em que não distingues mais o trabalho do lazer e fazes o que queres e adoras o tempo todo.

De certeza que isto já ocorreu a muitas pessoas, e, pesquisas feitas, pouca gente parece acreditar que é possível, e pensamos: fazer o que gosto significa passar fome, ou então teria que ter nascido com um talento fora do normal ou ter uma ideia excelante, que nunca ninguém teve! Há uma minoria abastada que realmente pode fazer só o que quer.

Quando me deparei com este guia não procurava fazer só o que me apetece, até porque acredito que a disciplina faz o equilíbrio, e ter algumas guidelines na vida não me faz mal nenhum. O que eu procurava era uma forma de poder convergir vários talentos distintos numa actividade que os reunisse em conjunto. Mas...

O guia era grátis e parecia ter informação de qualidade, decidi fazer download e lêr. Só existe em Inglês.
Leiam e partilhem comigo, achei que o guia está muito bom.

O Jonathan cansou-se de alugar o cérebro, expressão própria, e arranjou estratégias para ser pago por fazer o que gosta, relantando essas estratégias  neste guia. Há vários outros casos de pessoas que fizeram o mesmo e instruções para encontrar um meio termo entre: 1) fazer aquilo em que se é melhor 2)  fazer o que se gosta, 3) fazer algo que as pessoas queiram pagar-te para fazer. O mundo precisa que faças o que gostas, é essa a grande mensagem, e o mais importante a retirar deste guia.

The zero hour workweek está disponível para download de borla! Para um guia grátis está fenomenal, já paguei para lêr coisas piores!

Sem comentários:

Enviar um comentário